sábado, 24 de outubro de 2015

Una Imagen Irresistible


Na verdade e por mais que nos custe admitir, sempre fomos apenas uma foto, um conceito. Uma imagem irresistível que criamos e amamos desesperadamente a partir de um conjunto de sonhos, de anseios indefinidos, de desejos intensos não cumpridos, lacunas excessivas, silêncios agudos e um calendário magoado de lagrimas a mofar nossos girassóis.

Apesar de toda aquela energia inevitável de coesão visceral que nos unia - éramos tão inadiáveis, que ao mergulhar desesperadas em nós, escancaramos tanto os olhos que enxergamos apenas o fundo... onde hoje só nos resta a sombra daquele balaio de beijos esquecido num canto, os '98 anos e mais alguns' caducados, mil e uma promessas solenes não realizadas, e este abismo e o mar, no meio de nossas mãos vazias, para sempre separadas e impotentes.

Tanto que hoje e obstante ao aniquilamento das ilusões, é vital continuar tentando desesperadamente pela pungência da dor, ingressar-nos ao esquecimento, mesmo que ainda insista e me assombre tanto como a uma ferida aberta, este estigma da saudade invencível de nós duas, que carrego comigo, agarrado a minha insônia e a se alimentar eternamente de minha essência e de todo este meu, i n f i n i t o amor... imaginado.


3 comentários:

Loba Azul disse...

TODAS AS HORAS

As horas que passam
E levam um pouco de mim
São horas findas e predestinadas
A mesma ilusão sem fim

São horas que provam do meu sofrer
Hora "H", dia "D"

São horas tontas da mesma bebida
Que nos faz na vida um ator
Horas de fogo caídas do bronze
Feridas nas doses do amor

Faz tanto tempo que eu me apaixonei
Que hoje sei bem melhor

Todas as horas, todas as horas
Todas as horas de cor

(Caetâno Veloso)

Suzana disse...

Ahhhh loba pero que hermoso caos......

Suzana

Anônimo disse...

Bravo!!!