quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Amores (Im)perfeitos




E é bem assim
que quereres constantes
ficam distantes

Almas antigas e tão predestinadas
como seixos a deriva
não mais confabulam beijos

E cada instante tão sonhado
tão resoluto e predestinado
se encontra na cruz

E sobram memórias....
Memórias redarguidas
(imperfeitas quase feitas)

Em último instante
Em visceral atitude
Paliativo que hoje nos ilude

2 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito!

Anônimo disse...

Perfeito!