sábado, 29 de junho de 2013

Butterfly Kisses


Somos algo que não logramos entender qualificar, quantificar, decifrar, verbalizar ou traduzir.  Somos uma esfinge encarnada... Esfinge esta que interminavelmente devora-nos e regurgita-nos TODOS os dias transfiguradas em êxtase absoluto

Vontade de...  em um desdobramento apoteótico fixar-nos e deixar-nos presas em um esquecido quadro de mariposas mortas, tristes e secas e abandonar-nos ali espetadas em ponta de agudo e finíssimo alfinete de prata, expostas  ao frio desalento aguardando por um vago olhar, em expectativa vã no limbo e, fora do inventário das delicadíssimas lembranças! Ou, saber-nos transformadas em joia única desperdiçada... destas que  por descuido a gente perde no fundo de um ralo

Pra esquecer-nos como se faz com um pileque. Pra adivinhar-nos sem jamais ter de entender-nos. Pra negar-nos esperança, afeição, ternura. Para negar-nos comida, presença e o sono. Para desamparar-nos, desmembrar-nos, desiludir. Para ‘deslembrar’ que eu sou 'aquela' que te aponta com o meu desejo, seu corpo repleto de apetite por mim  em todos os sonhos que nossas almas anseiam, entende?

Você não corre atrás de mim... Não é atrás de mim que você vem quando eu desesperada, sigo a buscar-te e te encontro e te devoro mansamente nas chamas deste meu querer inesgotável em  perene busca por esta fusão insubstituível, nesta síntese imponderável...

É intoxicadas pela contemplação de nós mesmas que ambas precipitamos de mãos dadas

E é em nós que quase nos encontramos nos querendo e nos testemunhamos amalgamadas SENTINDO, percebendo que estamos vivas na ilusão desta nossa absolutização, pois,  sabemos ser de nos duas 'aquele algo' insano que nos faz interminavelmente lembrar e antever que existimos.

Nossa busca... é por nós mesmas, sempre foi e será sempre! E quando pensamos que nos adoramos estamos ilusionadas,
em transe enclausuradas narcisiacamente a nossa imagem e semelhança nos buscando nas brumas da vertigem ofuscadas pelo deslumbre deste paroxismo inevitável, onde em nós, nos fundimos em ápice no auge do transbordamento, assim refletidas!

E impossível despertar... quando somente perdida em ti eu me encontro - Por que também sonhando você eu igualmente sigo, não querendo, não podendo, não ousando ACORDAR tamanha preciosidade

É impossível despertar... quando só afogando-me em ti eu respiro. Por que fascinadas por este encantamento sei, e sei e você sabe também que em todo luar de agosto hei de casar-me contigo nas eternas bodas deste  caprichoso mistério insondável de nós duas!



3 comentários:

Los Besos disse...

Eu queria cantar para dentro de alguém,

sentar-me junto de alguém e estar aí.
Eu queria embalar-te e cantar-te mansamente
e acompanhar-te ao despertares e ao adormeceres.
Queria ser o único na casa
a saber: a noite estava fria.
E queria escutar dentro e fora
de ti, do mundo, da floresta.
Os relógios chamam-se anunciando as horas
e vê-se o fundo do tempo.
E em baixo ainda passa um estranho
e acirra um cão desconhecido.
Depois regressa o silêncio. Os meus olhos,
muito abertos, pousaram em ti;
e prendem-te docemente e libertam-te
quando algo se move na escuridão.
(Rainer Maria Rilke)

Eu te amo!!!!

Loba Azul disse...

"Ao fechar meus olhos
os abro dentro dos teus olhos
pois, tudo em mim deseja
e quer alcançar você"

J'adore!

Homem, Homossexual e Pai disse...

que lindo seu blog! os textos, os videos e musicas que escolhes! que lindo! virei fã! abs